***: “Eu amo a Guarda Municipal de São José dos Pinhais”

08/12/2014

“Eu amo a Guarda Municipal de São José dos Pinhais”



A Polícia Civil vai investigar as imagens de um vídeo que mostra um guarda municipal de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, agredindo um adolescente. Além da agressão, o jovem ainda foi obrigado a repetir frases humilhantes e fazer postagens em redes sociais. 

O caso ocorreu em maio, mas até então era tratado pela guarda municipal como assunto interno. As imagens foram registradas pelo celular do próprio guarda que fez as agressões. Primeiro, o adolescente é obrigado a se desculpar perante os guardas municipais de São José dos Pinhais, e depois obrigado a repetir frases humilhantes. As agressões vêm na sequência, com vários tapas no rosto. “Vai levar na cara. Por isso você não vai fazer mais, tá?”, diz o agressor. 

No mesmo carro estão outros dois guardas, que nada fazem para impedir os fatos. 

Fotografias feitas na sede da guarda ainda mostram que o jovem foi obrigado a segurar um cartaz com a frase: “Eu amo a guarda de São José dos Pinhais”.

Em uma rede social, o garoto postou um texto prometendo nunca mais brincar com a instituição, e que valoriza muito os homens que defendem a sociedade. “Gostaria publicamente de pedir sinceras desculpas à grandiosa corporação que é nossa querida Guarda Municipal de São José dos Pinhais”, diz ainda a postagem. A guarda de São José dos Pinhais é subordinada à Secretaria Municipal de Segurança Pública, que recebeu a denúncia da agressão em maio, mas ainda não concluiu o procedimento interno de investigação, e não levou o caso à polícia. 


“Isso tem um rito. Ouvem-se as partes, a defesa, é o rito processual. Ao término do rito processual, que tem todos os prazos legais, se tem o relatório final. Em cima do relatório final é que nós vamos ter esclarecimentos totais do fato”, justificou o secretário Adriano Mühlstedt. 

Enquanto o processo tramita, o guarda foi remanejado para tratar de serviços internos. Confrontado com o material, o superintendente da Polícia Civil da cidade disse que o caso jamais havia sido trazido à corporação. 

“O que foi apresentado foi a notícia de um fato ilícito de natureza penal. E a melhora maneira de a gente começar a investigar é saber realmente qual o procedimento que está sendo efetivado na guarda”, afirmou o superintendente Clóvis Pinheiro. 

Procurado, o diretor da Guarda Municipal de São José dos Pinhais, Samarone Bueno, disse que não poderia falar sobre o caso por conta de uma lei municipal.

DO PORTAL G1 - SISTEMA GLOBO DE JORNALISMO



Elvis de Jesus
Jornalista - MTB 0077934

Nenhum comentário:

Postar um comentário