***: Guarda Municipal executado no Complexo da Maré no RJ.

12/12/2014

Guarda Municipal executado no Complexo da Maré no RJ.



Do Extra/Globo Jornalismo

Uma carreata no Dia das Crianças do ano passado, com traficantes fantasiados de super-heróis desfilando pelas ruas do Complexo da Maré, foi um dos últimos espisódios filmados pelo Guarda Municipal William Mendes Oliveira, de 37 anos, antes de ser executado. 

Ele foi morto uma semana depois de ter feito as imagens, em 19 de outubro, após os bandidos descobrirem que ele era informante do Bope e do Exército. 

Segundo as investigações, um policial, que não foi identificado, é que teria revelado aos traficantes que o Guarda Municipal era informante. Em troca, recebeu R$ 50 mil. Na terça-feira, a Justiça decretou a prisão do chefe do tráfico na Maré, Marcelo Santos das Dores, o Menor P, e de outros nove bandidos pelo crime.


Os traficantes foram identificados em investigação da 21a DP (Bonsucesso), na qual todos foram indiciados e tiveram as prisões pedidas à Justiça. Num e-mail enviado pelo guarda a um policial do qual era informante, ele chamou atenção para o fato de que alguns veículos utilizados na carreata da festa para as crianças eram roubados. Ele relata ainda que há traficantes num grupo de homens fantasiados de super-heróis que se exibiam na caçamba de um carro. William, nascido e criado na Maré, flagrava não só as festas do tráfico, mas principalmente os criminosos circulando armados pela comunidade e as vendas de drogas. Ele costumava usar as mensagens na internet para se comunicar e repassar algumas informações.



Pouco mais de duas horas antes de ser levados pelos traficantes para ser morto, o guarda municipal enviou e-mail a um policial do Bope para o qual dava informações relatando seu medo de ser descoberto. A mando de Menor P, William foi capturado em sua casa por volta das 21h. Ele foi levado para uma localidade conhecida como Obrinha. Lá, foi interrogado e assumiu que era informante. Familiares do guarda foram levados para o local e obrigados a assistirem a tortura. À mãe, o guarda pediu perdão por ser X-9 (dedo-duro).



O guarda foi morto por dezenas de tiros de fuzil. Menor P foi o primeiro a atirar contra ele. De acordo com uma testemunha, o criminoso dava gritos enquanto descarregava a arma, “parecendo o filme do Rambo”. Em seguida, o chefe do tráfico autorizou que os outros traficantes também atirassem. O corpo de William foi queimado em pneus e, em seguida, jogado na Baía de Guanabara. O crime aconteceu cinco meses antes de Menor P ser preso pela Polícia Federal.


Todos os bandidos que tiveram as prisões decretadas foram denunciados pelo Ministério Público estadual por homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, com recurso que dificulte ou impossibilite a defesa da vítima, e para garantir execução ou impunidade de outro crime), ocultação de cadáver e tráfico de drogas. São eles, além de Menor P, seu irmão, Fabiano Santos de Jesus, o Zangado, Climar Sales Leite, o Relâmpago, André França Gama, o Descaído, Marcos Vinícius Pereira, o Mofai, Thiago da Silva Folley, o TH, Rodrigo do Nascimento Oliveira, o Tiazinha, Valdiney Sabino dos Santos, o Dinho, Bruno Gonçalves da Silva, o Soldado, e Ronaldo do Nascimento Lopes, o Mesquita. Os cinco primeiros estão presos, e os outros cinco, foragidos. ( Grifo vermelho).


**************************************************************



   Elvis de Jesus
   Jornalista - MTB 0077934


Nenhum comentário:

Postar um comentário